Talvez nunca mais um país, partidos políticos, eleições etc. Dois vírus criaram uma nova idade histórica, o primeiro consumiu as reservas de petróleo, o segundo deixou à beira da extinção a humanidade — gigantescas ratazanas devoram os corpos largados nas ruas. No setor 7, na famosíssima Copacabana, Miguel — ex-ráquer, atualmente colecionador e catalogador de objetos artísticos, um apaixonado por rock ‘n’ roll — envelhece (aceitando a sorte de ser um doador universal) sem ter muito o que fazer, além de caminhar na praia em companhia das porcas da senhora Borrêia e conversar com os pivetes na carcaça. Tudo isso mudará um dia, por culpa da inveja alheia, por culpa de uma nova vontade de ser melhor, algo não permitido pelo autoritário governo.

Talvez Nunca Mais um País

Autor: Flavio P. Oliveira
ISBN: 978-85-69423-00-3
Revisão: Érica M. Bettoni Hayashibara e Salette D’Acri
Formato: Médio (14×21)
Número de páginas: 240
Papel do Miolo: Pólen Soft 80
Lançamento: 08/08/2015

 

 

 

 

Onde Comprar:
Por R$19,00 — (frete incluso no preço, marcadores de páginas e um atestado de loucura de brindes). Use o botão direto para o PagSeguro abaixo.



Introdução:

No futuro, os sonhos estão velhos e talvez nunca mais um país, ou partidos políticos, eleições, discursos em praça pública, patriotismo etc. Entre lembranças e a vida em um mundo sem democracia, Miguel contará um pouco do muito a contar.

Da turma do colégio, os sete amigos: Zarolha, Tangerina, Espinhela Caída, Dumbo, Zé Ruela, Medo e… um homem envelhecido (o narrador) — ex-ráquer, atualmente colecionador e catalogador de objetos artísticos, apaixonado por rock ‘n’ roll e cervejas contrabandeadas dos setores ingovernáveis — envelhece perdendo espírito de luta e vontade de ser algo mais, no marasmo à beira do mar, na famosíssima praia de Copacabana (o sete), onde, diga-se de passagem, moram mais robôs e androides do que cidadãos.

Lembranças dos avós, da época da escola, das amantes, e há uma Mariana, a qual queria levar para casa um mini-hipo… As ratazanas, gigantescas, devoram os corpos largados nas ruas… Dois vírus criaram a nova idade histórica, o primeiro consumiu as reservas de petróleo — há inúmeros cemitérios de ferro no mundo e prolongadores de vida —, o segundo deixou à beira da extinção a humanidade.

No setor 7, antiga Copacabana, este senhor sofre a falta de ideais e vontades, posto que rejuvenescido artificialmente, e tem saudade da esposa, avós, amigos… Ele, cercado por cercas limitadoras que bloqueiam a entrada de indesejados, não tem muito mais o que fazer, além de invadir apartamentos abandonados atrás de relíquias, caminhar na areia com as porcas da senhora Borrêia e conversar com os pivetes na carcaça. Tudo isso mudará um dia, por culpa da inveja alheia, por culpa de uma nova vontade de ser melhor, algo indesejável pelo governo autoritário.

: Leia o começo do livro em PDF.